Vida

O que é o duplo paradoxo? Viagem em Tempo Real

O que é o duplo paradoxo? Viagem em Tempo Real

O paradoxo gêmeo é um experimento mental que demonstra a curiosa manifestação da dilatação do tempo na física moderna, como foi introduzido por Albert Einstein através da teoria da relatividade.

Considere dois gêmeos, chamados Biff e Cliff. No aniversário de 20 anos, Biff decide entrar em uma nave espacial e decolar para o espaço, viajando quase à velocidade da luz. Ele viaja ao redor do cosmos nessa velocidade por cerca de 5 anos, retornando à Terra aos 25 anos.

Cliff, por outro lado, permanece na Terra. Quando Biff retorna, Cliff tem 95 anos.

O que aconteceu?

Segundo a relatividade, dois quadros de referência que se movem de maneira diferente entre si experimentam o tempo de maneira diferente, um processo conhecido como dilatação do tempo. Como Biff estava se movendo tão rapidamente, o tempo estava se movendo mais devagar para ele. Isso pode ser calculado com precisão usando transformações de Lorentz, que são uma parte padrão da relatividade.

Twin Paradox One

O primeiro paradoxo gêmeo não é realmente um paradoxo científico, mas um lógico: Quantos anos tem o Biff?

Biff viveu 25 anos de vida, mas também nasceu no mesmo momento que Cliff, há 90 anos. Então ele tem 25 anos ou 90 anos?

Nesse caso, a resposta é "ambos" ... dependendo de como você está medindo a idade. De acordo com a carteira de motorista, que mede o tempo da Terra (e sem dúvida expirou), ele tem 90 anos. Segundo o corpo, ele tem 25 anos. Nem a idade é "certa" ou "errada", embora a administração da previdência social possa fazer uma exceção se tenta reivindicar benefícios.

Twin Paradox Two

O segundo paradoxo é um pouco mais técnico e realmente chega ao cerne do que os físicos querem dizer quando falam de relatividade. Todo o cenário é baseado na ideia de que Biff estava viajando muito rápido, então o tempo diminuiu para ele.

O problema é que, na relatividade, apenas o movimento relativo está envolvido. E se você considerasse as coisas do ponto de vista de Biff, ele permaneceu parado o tempo todo, e era Cliff quem estava se afastando em velocidade rápida. Os cálculos realizados dessa maneira não significam que Cliff é quem envelhece mais devagar? A relatividade não implica que essas situações sejam simétricas?

Agora, se Biff e Cliff estivessem em naves espaciais viajando a velocidades constantes em direções opostas, esse argumento seria perfeitamente verdadeiro. As regras da relatividade especial, que governam os quadros de referência de velocidade constante (inercial), indicam que apenas o movimento relativo entre os dois é o que importa. De fato, se você está se movendo a uma velocidade constante, não há sequer um experimento que você possa realizar dentro do seu quadro de referência que o distinga de estar em repouso. (Mesmo que você olhasse para fora do navio e se comparasse a algum outro quadro de referência constante, você só poderia determinar que um de vocês está se movendo, mas não qual.)

Mas há uma distinção muito importante aqui: Biff está acelerando durante esse processo. Cliff está na Terra, que para os fins disso está basicamente "em repouso" (embora na realidade a Terra se mova, gire e acelere de várias maneiras). Biff está em uma nave espacial que sofre aceleração intensa para ler perto da velocidade da luz. Isso significa, de acordo com a relatividade geral, que na verdade existem experimentos físicos que poderiam ser realizados por Biff, que revelariam a ele que ele estava acelerando ... e os mesmos experimentos mostrariam a Cliff que ele não está acelerando (ou pelo menos acelerando muito menos do que Biff é). )

A principal característica é que, enquanto Cliff está em um quadro de referência o tempo todo, Biff está realmente em dois quadros de referência - aquele em que ele está viajando para longe da Terra e aquele em que está voltando para a Terra.

Então, a situação de Biff e a situação de Cliff são não realmente simétrico em nosso cenário. Biff é absolutamente aquele que está sofrendo uma aceleração mais significativa e, portanto, é ele quem passa menos tempo.

História do Paradoxo Gêmeo

Esse paradoxo (de uma forma diferente) foi apresentado pela primeira vez em 1911 por Paul Langevin, no qual a ênfase enfatizava a idéia de que a própria aceleração era o elemento chave que causou a distinção. Na opinião de Langevin, a aceleração, portanto, tinha um significado absoluto. Em 1913, porém, Max von Laue demonstrou que apenas os dois quadros de referência são suficientes para explicar a distinção, sem ter que explicar a própria aceleração.