Informações

Saiba se a semeadura em nuvem pode matar furacões

Saiba se a semeadura em nuvem pode matar furacões

Os esforços para modificar as tempestades datam da década de 1940, quando o Dr. Irwin Langmuir e uma equipe de cientistas da General Electric exploraram a possibilidade de usar cristais de gelo para enfraquecer as tempestades. Este foi o Projeto Cirrus. O entusiasmo com este projeto, combinado com a devastação causada por uma série de furacões que atingiram a terra, levou o governo federal dos EUA a nomear uma Comissão Presidencial para investigar a modificação das tempestades.

O que era o Projeto Stormfury?

O Projeto Stormfury era um programa de pesquisa para modificação de furacões que estava ativo entre 1962 e 1983. A hipótese de Stormfury era que semear a primeira faixa de chuva fora das nuvens da parede dos olhos com iodeto de prata (AgI) faria com que a água super-resfriada se transformasse em gelo. Isso liberaria calor, o que faria as nuvens crescerem mais rapidamente, puxando o ar que, de outra forma, alcançaria a parede de nuvens ao redor do olho. O plano era cortar o suprimento de ar que alimentava a parede ocular original, o que faria com que ela desaparecesse enquanto uma segunda parede ocular mais larga cresceria mais longe do centro da tempestade. Como a parede seria mais larga, o ar espiralando nas nuvens seria mais lento. A conservação parcial do momento angular pretendia diminuir a força dos ventos mais fortes. Ao mesmo tempo em que a teoria de semeadura em nuvem estava sendo desenvolvida, um grupo no Centro de Armas da Marinha da Califórnia estava desenvolvendo novos geradores de semeadura que poderiam liberar grandes quantidades de cristais de iodeto de prata em tempestades.

Furacões que foram semeados com iodeto de prata

Em 1961, a parede do furacão Esther foi semeada com iodeto de prata. O furacão parou de crescer e mostrou sinais de possível enfraquecimento. O furacão Beulah foi plantado em 1963, novamente com alguns resultados encorajadores. Dois furacões foram semeados com grandes quantidades de iodeto de prata. A primeira tempestade (furacão Debbie, 1969) enfraqueceu temporariamente após ser semeada cinco vezes. Nenhum efeito significativo foi detectado na segunda tempestade (Hurricane Ginger, 1971). Análises posteriores da tempestade de 1969 sugeriram que a tempestade teria se enfraquecido com ou sem a semeadura, como parte do processo normal de substituição da parede ocular.

Descontinuando o Programa de Semeadura

Cortes no orçamento e falta de sucesso definitivo levaram à interrupção do programa de semeadura de furacões. No final, foi decidido que seria melhor gastar dinheiro aprendendo mais sobre como os furacões funcionam e encontrando maneiras de se preparar melhor e diminuir os danos causados ​​pelas tempestades naturais. Mesmo que a propagação de nuvens ou outras medidas artificiais pudessem diminuir a intensidade das tempestades, houve um debate considerável sobre onde as tempestades seriam alteradas e preocupação com as implicações ecológicas da mudança das tempestades.