Conselhos

A linha Pro-Woman

A linha Pro-Woman

A Linha Pró-Mulher refere-se à idéia introduzida pelas feministas radicais da década de 1960 de que as mulheres não devem ser responsabilizadas por sua própria opressão. A Linha Pró-Mulher evoluiu da conscientização e se tornou uma parte significativa do movimento de Libertação das Mulheres.

O argumento pró-mulher

A Linha Pro-Woman procurou explicar comportamentos contraditórios. Por exemplo, feministas o aplicaram a maquiagem e outros padrões de beleza. O argumento "anti-mulher" era que as mulheres participavam de sua opressão usando maquiagem, roupas desconfortáveis, cintas ou sapatos de salto alto. A Linha Pro-Woman disse que as mulheres não têm culpa; eles apenas fazem o que precisam em um mundo que cria padrões de beleza impossíveis. Se as mulheres são tratadas melhor quando usam maquiagem e lhes dizem que ficam doentes quando não usam maquiagem, uma mulher que usa maquiagem para trabalhar não cria sua própria opressão. Ela está fazendo o que a sociedade exige dela para ter sucesso.

Durante o Miss America Protest de 1968, instigado pela Radical Women de Nova York, alguns manifestantes criticaram as participantes do sexo feminino por participarem do concurso. Segundo a Linha Pró-Mulher, os competidores não devem ser criticados, mas a sociedade que os colocou nessa situação deve ser criticada.

No entanto, a Linha Pro-Woman também argumenta que as mulheres resistem a retratos negativos e padrões opressivos. De fato, o Movimento de Libertação das Mulheres era uma maneira de unir as mulheres em uma luta que elas já estavam lutando individualmente.

A linha pró-mulher na teoria feminista

Alguns grupos feministas radicais discordaram sobre a teoria feminista. A Redstockings, formada em 1969 por Shulamith Firestone e Ellen Willis, adotou a postura pró-mulher de que as mulheres não devem ser responsabilizadas por sua opressão. Os membros da Redstockings afirmaram que as mulheres não precisavam mudar a si mesmas, mas sim os homens.

Outros grupos feministas criticaram a Linha Pró-Mulher por ser muito simplista e não levar a mudanças. Se os comportamentos das mulheres fossem aceitos como uma resposta necessária à sociedade opressora, como as mulheres mudariam esses comportamentos?

A teoria da Linha Pró-Mulher critica o mito predominante de que as mulheres são de alguma forma pessoas menores que os homens ou que as mulheres são mais fracas e mais emocionais. A pensadora crítica feminista Carol Hanisch escreveu que "as mulheres são bagunçadas, não bagunçadas". As mulheres têm que fazer escolhas abaixo do ideal para sobreviver em uma sociedade opressora. De acordo com a Linha Pro-Woman, não é aceitável criticar as mulheres por suas estratégias de sobrevivência.


Assista o vídeo: Soma Pro Woman ZMA. MASSA MAGRA & CONTROLE DE APETITE - DIETA NINJA (Setembro 2021).