Informações

O gigante de Cardiff

O gigante de Cardiff

O gigante de Cardiff foi uma das mais famosas e divertidas brincadeiras do século XIX. A suposta descoberta de um antigo “gigante petrificado” em uma fazenda no estado de Nova York cativou o público no final de 1869.

Relatos de jornais e folhetos publicados rapidamente elogiaram a “Maravilhosa Descoberta Científica”, considerada um homem antigo que teria mais de um metro e meio de altura quando vivo. Um debate científico foi publicado nos jornais sobre se o objeto enterrado era uma estátua antiga ou uma "petrificação".

Na linguagem do dia, o gigante era realmente uma "farsa". E o profundo ceticismo em relação à estátua faz parte do que a tornou tão atraente.

Um livreto que pretendia ser o relato autorizado de sua descoberta ainda apresentava uma carta detalhada de "um dos homens mais científicos da América", denunciando-o como uma farsa. Outras cartas do livro ofereceram a opinião oposta, bem como algumas teorias divertidas sobre o que a descoberta poderia significar para a história da humanidade.

Cheias de fatos, opiniões e teorias descontroladas, as pessoas não queriam nada além de pagar 50 centavos e ver o Gigante de Cardiff com seus próprios olhos.

Multidões que enxergavam o artefato peculiar estavam tão entusiasmadas que Phineas T. Barnum, o lendário promotor do general Tom Thumb, Jenny Lind, e dezenas de outras atrações, tentou comprar o gigante. Quando sua oferta foi recusada, ele obteve uma réplica de gesso do gigante de pedra que um artista havia criado.

Em um cenário que apenas Barnum poderia ter planejado, ele começou a exibir sua própria falsificação da famosa farsa.

Não demorou muito para que a mania diminuísse à medida que a história real surgisse: a estátua estranha fora esculpida apenas um ano antes. E fora enterrado por um brincalhão na fazenda de seu parente no interior de Nova York, onde poderia ser convenientemente "descoberto" por operários.

A descoberta do gigante de Cardiff

O enorme homem de pedra foi encontrado por dois trabalhadores cavando um poço na fazenda de William "Stub" Newell, perto da vila de Cardiff, Nova York, em 16 de outubro de 1869.

De acordo com a história que rapidamente circulou, eles pensaram que haviam descoberto o túmulo de um índio. E eles ficaram surpresos quando descobriram o objeto inteiro. O "homem petrificado", que estava descansando de um lado como se estivesse dormindo, era gigantesco.

As notícias se espalharam imediatamente sobre a descoberta estranha, e Newell, depois de colocar uma grande barraca sobre a escavação em seu prado, começou a cobrar admissão para ver o gigante de pedra. As notícias se espalharam rapidamente e, em poucos dias, um proeminente cientista e especialista em fósseis, Dr. John F. Boynton, chegou para examinar o artefato.

Em 21 de outubro de 1869, uma semana após a descoberta, um jornal da Filadélfia publicou dois artigos fornecendo perspectivas completamente diferentes sobre a figura de pedra.

O primeiro artigo, intitulado "Petrificado", pretendia ser uma carta de um homem que morava não longe da fazenda de Newell:

Hoje já foi visitada por centenas do país vizinho e examinada por médicos, e eles afirmam positivamente que já deve ter sido um gigante vivo. As veias, globos oculares, músculos, tendões do calcanhar e cordões do pescoço são todos totalmente exibidos. Muitas teorias são avançadas sobre onde ele morava e como ele chegou lá.
Newell propõe agora permitir que ele descanse como encontrado até ser examinado por homens científicos. Certamente é um dos elos de ligação entre as raças passadas e presentes, e de grande valor.

Um segundo artigo foi um despacho reimpresso do Padrão de Siracusa de 18 de outubro de 1869. Tinha a manchete: "O gigante pronunciou uma estátua", e se referia ao Dr. Boynton e sua inspeção do gigante:

O médico fez um exame mais minucioso da descoberta, cavando-a para examinar suas costas e, após deliberação madura, declarou que era uma estátua de um caucasiano. Os recursos são finamente cortados e estão em perfeita harmonia.

Um livreto de 32 páginas publicado rapidamente pelo Syracuse Journal continha o texto inteiro de uma carta que Boynton escreveu a um professor do Instituto Franklin, na Filadélfia. Boynton avaliou corretamente que o número havia sido esculpido em gesso. E ele disse que era "absurdo" considerá-lo um "homem fóssil".

Boynton estava errado em um aspecto: ele acreditava que a estátua havia sido enterrada centenas de anos antes e especulava que os povos antigos que a haviam enterrado deviam estar escondendo-a dos inimigos. A verdade é que a estátua havia passado apenas um ano no chão.

Controvérsia e fascínio público

Debates impetuosos nos jornais sobre a origem do gigante apenas o tornaram mais atraente para o público. Geólogos e professores alinhados para expressar ceticismo. Mas um punhado de ministros que viram o gigante a considerou uma maravilha desde os tempos antigos, um verdadeiro gigante do Antigo Testamento, como mencionado no Livro do Gênesis.

Qualquer pessoa que queira se decidir pode pagar uma entrada de 50 centavos para assistir. E os negócios eram bons.

Depois que o gigante foi içado para fora do buraco na fazenda de Newell, foi transportado em uma carroça para ser exibida nas cidades da Costa Leste. Quando Phineas T. Barnum começou a exibir sua própria versão falsa do gigante, um showman rival que administrava a turnê do gigante original tentou levá-lo ao tribunal. Um juiz se recusou a ouvir o caso.

Onde quer que aparecesse o gigante, ou fac-símile de Barnum, multidões se reuniam. Um relatório dizia que o renomado autor Ralph Waldo Emerson viu o gigante em Boston e o chamou de "surpreendente" e "indubitavelmente antigo".

Houve boatos notáveis ​​antes, como as batidas ouvidas pelas Irmãs Fox, que começaram uma mania de espiritismo. E o Museu Ameican de Barnum, em Nova York, sempre exibia artefatos falsos, como a famosa "Sereia de Fiji".

Mas a mania sobre o gigante de Cardiff era como nunca antes vista. Em um ponto, as ferrovias até agendavam trens extras para acomodar as multidões que os reuniam para vê-lo. Mas, no início de 1870, o interesse diminuiu repentinamente quando a obviedade da fraude foi amplamente aceita.

Os detalhes do embuste

Enquanto o público perdia o interesse em pagar para ver a estátua estranha, os jornais procuravam descobrir a verdade, e ficou sabendo que um homem chamado George Hull havia planejado o plano.

Hull, que era cético em relação à religião, aparentemente concebeu a farsa como uma demonstração de que as pessoas podiam ser levadas a acreditar em qualquer coisa. Ele viajou para Iowa em 1868 e comprou um grande bloco de gesso em uma pedreira. Para evitar suspeitas, ele disse aos trabalhadores da pedreira que o bloco de gesso, que media 12 pés de comprimento e quatro pés de largura, era destinado a uma estátua de Abraham Lincoln.

O gesso foi transportado para Chicago, onde os cortadores de pedra, agindo sob a direção excêntrica de Hull, formaram a estátua do gigante adormecido. Hull tratou o gesso com ácido e desbaste a superfície para fazer com que pareça antiga.

Após meses de trabalho, a estátua foi transportada, em uma grande caixa rotulada como “máquinas agrícolas”, para a fazenda do parente de Hull, Stub Newell, perto de Cardiff, Nova York. A estátua foi enterrada em algum momento em 1868 e desenterrada um ano depois.

Os cientistas que a denunciaram como uma brincadeira no começo estavam corretos. O "gigante petrificado" não teve importância científica.

O gigante de Cardiff não era uma pessoa que viveu na época do Antigo Testamento, nem mesmo uma relíquia com significado religioso de alguma civilização anterior. Mas tinha sido uma farsa muito boa.


Assista o vídeo: O Gigante de Cardiff: A Farsa que Enganou os EUA (Setembro 2021).