Informações

Como funciona a ecolocalização de morcegos

Como funciona a ecolocalização de morcegos

A ecolocalização é o uso combinado de morfologia (características físicas) e sonar (navegação SOund NA e Ranging) que permite aos morcegos "ver" usando o som. Um morcego usa sua laringe para produzir ondas ultrassônicas que são emitidas pela boca ou pelo nariz. Alguns morcegos também produzem cliques usando suas línguas. O morcego ouve os ecos retornados e compara o tempo entre o envio e o retorno do sinal e a mudança na frequência do som para formar um mapa de seus arredores. Enquanto nenhum morcego é completamente cego, o animal pode usar o som para "ver" na escuridão absoluta. A natureza sensível dos ouvidos de um morcego permite que ele encontre presas por escuta passiva também. Os sulcos das orelhas dos morcegos funcionam como uma lente acústica de Fresnel, permitindo que o morcego ouça o movimento dos insetos que habitam o solo e o bater das asas dos insetos.

Como a morfologia dos morcegos ajuda na ecolocalização

Algumas das adaptações físicas de um morcego são visíveis. Um nariz carnudo e enrugado age como um megafone para projetar o som. A forma complexa, dobras e rugas do ouvido externo de um morcego ajudam a receber e canalizar os sons recebidos. Algumas adaptações importantes são internas. Os ouvidos contêm numerosos receptores que permitem aos morcegos detectar pequenas alterações de frequência. O cérebro de um morcego mapeia os sinais e até explica o efeito Doppler que o voo tem na ecolocalização. Pouco antes de um morcego emitir um som, os minúsculos ossos do ouvido interno se separam para reduzir a sensibilidade auditiva do animal, para que não surda. Uma vez que os músculos da laringe se contraem, o ouvido médio relaxa e os ouvidos podem receber o eco.

Tipos de ecolocalização

Existem dois tipos principais de ecolocalização:

  • Ecolocalização de ciclo de serviço baixo permite aos morcegos estimar sua distância de um objeto com base na diferença entre o momento em que um som é emitido e o retorno do eco. A chamada que um morcego faz para essa forma de ecolocalização está entre os sons mais altos do ar, produzidos por qualquer animal. A intensidade do sinal varia de 60 a 140 decibéis, o que equivale ao som emitido por um detector de fumaça a 10 centímetros de distância. Essas chamadas são ultrassônicas e geralmente estão fora do alcance da audição humana. Os seres humanos ouvem dentro da faixa de frequência de 20 a 20.000 Hz, enquanto os micróbios emitem chamadas de 14.000 a mais de 100.000 Hz.
  • Ecolocalização de ciclo de serviço pesado fornece aos morcegos informações sobre o movimento e a localização tridimensional da presa. Para esse tipo de ecolocalização, um morcego emite uma chamada contínua enquanto ouve a alteração na frequência do eco retornado. Os morcegos evitam se ensurdecer emitindo uma chamada fora de sua faixa de frequência. O eco é mais baixo em frequência, caindo dentro da faixa ideal para os ouvidos. Pequenas alterações na frequência podem ser detectadas. Por exemplo, o bastão em ferradura pode detectar diferenças de frequência tão pequenas quanto 0,1 Hz.

Enquanto a maioria das chamadas de morcegos é ultrassônica, algumas espécies emitem cliques audíveis de ecolocalização. O morcego manchado (Euderma maculatum) emite um som que lembra duas pedras se chocando. O morcego ouve o atraso do eco.

As chamadas de bastão são complicadas, geralmente consistindo de uma mistura de chamadas de frequência constante (CF) e modulada em frequência (FM). As chamadas de alta frequência são usadas com mais frequência porque oferecem informações detalhadas sobre velocidade, direção, tamanho e distância da presa. As chamadas de baixa frequência viajam mais longe e são usadas principalmente para mapear objetos imóveis.

Como as mariposas vencem os morcegos

As mariposas são presas populares dos morcegos, por isso algumas espécies desenvolveram métodos para vencer a ecolocalização. A mariposa-tigre (Bertholdia trigona) atola os sons ultrassônicos. Outra espécie anuncia sua presença gerando seus próprios sinais ultrassônicos. Isso permite aos morcegos identificar e evitar presas venenosas ou desagradáveis. Outras espécies de mariposa têm um órgão chamado tímpano que reage ao ultra-som recebido, fazendo com que os músculos de vôo da mariposa se contraiam. A mariposa voa irregularmente, por isso é mais difícil para um morcego pegar.

Outros incríveis sentidos do bastão

Além da ecolocalização, os morcegos usam outros sentidos indisponíveis aos seres humanos. Microbats podem ver em baixos níveis de luz. Ao contrário dos humanos, alguns veem a luz ultravioleta. O ditado "cego como um morcego" não se aplica a megabats, como essas espécies veem tão bem quanto ou melhor que os humanos. Como os pássaros, os morcegos podem sentir campos magnéticos. Enquanto os pássaros usam essa capacidade de sentir a latitude, os morcegos usam para diferenciar o norte do sul.

Referências

  • Corcoran, Aaron J .; Barber, J.R .; Conner, W.E. (2009). "A traça de tigre compara o sonar do bastão." Ciência. 325 (5938): 325-327.
  • Fullard, J.H. (1998). "Orelhas de traça e chamadas de morcego: coevolução ou coincidência?". Em Hoy, R.R .; Fay, R.R .; Popper, A. N. Audição Comparada: Insetos. Manual de Pesquisa Auditiva Springer. Springer.
  • Nowak, R.M., editor (1999).Mamíferos Walker do Mundo. Vol. 1. 6ª edição. Pp. 264-271.
  • Surlykke, A .; Ghose, K .; Moss, C. F. (abril de 2009). "Varredura acústica de cenas naturais por ecolocalização no grande morcego marrom, Eptesicus fuscus." Jornal de Biologia Experimental. 212 (Pt 7): 1011-20.