Novo

As três maiores contribuições de Max Weber para a sociologia

As três maiores contribuições de Max Weber para a sociologia

Com Karl Marx, Émile Durkheim, W.E.B. DuBois e Harriet Martineau, Max Weber é considerado um dos fundadores da sociologia. Vivendo e trabalhando entre 1864 e 1920, Weber é lembrado como um teórico social prolífico, focado em economia, cultura, religião, política e na interação entre eles. Três de suas maiores contribuições à sociologia incluem a maneira como ele teorizou a relação entre cultura e economia, sua teoria da autoridade e seu conceito da gaiola de ferro da racionalidade.

Weber sobre as relações entre cultura e economia

O trabalho mais conhecido e amplamente lido de Weber é A ética protestante e o espírito do capitalismo. Este livro é considerado um texto de referência da teoria social e da sociologia em geral por causa de como Weber ilustra de forma convincente as conexões importantes entre cultura e economia. Posicionado contra a abordagem materialista histórica de Marx para teorizar o surgimento e desenvolvimento do capitalismo, Weber apresentou uma teoria na qual os valores do protestantismo ascético fomentavam a natureza aquisitiva do sistema econômico capitalista.

A discussão de Weber sobre a relação entre cultura e economia era uma teoria inovadora na época. Estabeleceu uma importante tradição teórica na sociologia de levar a sério o domínio cultural dos valores e da ideologia como uma força social que interage e influencia outros aspectos da sociedade, como política e economia.

O que torna possível a autoridade

Weber deu uma contribuição muito importante à maneira como entendemos como as pessoas e as instituições passam a ter autoridade na sociedade, como a mantêm e como isso influencia nossas vidas. Weber articulou sua teoria da autoridade no ensaioPolítica como vocação, que se formou pela primeira vez em uma palestra que ele proferiu em Munique em 1919. Weber teorizou que existem três formas de autoridade que permitem que pessoas e instituições obtenham um domínio legítimo sobre a sociedade: 1. tradicional ou enraizada nas tradições e valores da sociedade. passado que segue a lógica de "é assim que as coisas sempre foram"; 2. carismático, ou baseado em características individuais positivas e admiráveis, como heroísmo, ser relacionável e mostrar liderança visionária; e 3. legal-racional, ou aquele que está enraizado nas leis do estado e representado por aqueles encarregados de protegê-las.

Essa teoria de Weber reflete seu foco na importância política, social e cultural do estado moderno como um aparato que influencia fortemente o que acontece na sociedade e em nossas vidas.

Weber na gaiola de ferro

Analisar os efeitos que a "gaiola de ferro" da burocracia tem sobre os indivíduos da sociedade é uma das principais contribuições de Weber à teoria social, que ele articulou emA ética protestante e o espírito do capitalismo. Weber usou a frase, originalmentestahlhartes Gehäuseem alemão, para se referir à maneira como a racionalidade burocrática das sociedades ocidentais modernas chega a limitar e direcionar fundamentalmente a vida social e a vida individual. Weber explicou que a burocracia moderna era organizada em torno de princípios racionais, como papéis hierárquicos, conhecimento e papéis compartimentados, um sistema percebido de emprego e promoção baseado no mérito e a autoridade da racionalidade legal do Estado de Direito. Como esse sistema de regras - comum aos estados ocidentais modernos - é percebido como legítimo e, portanto, inquestionável, ele exerce o que Weber considerou uma influência extrema e injusta sobre outros aspectos da sociedade e das vidas individuais: a gaiola de ferro limita a liberdade e a possibilidade. .

Esse aspecto da teoria de Weber se mostraria profundamente influente para o desenvolvimento posterior da teoria social e foi amplamente desenvolvido pelos teóricos críticos associados à Escola de Frankfurt.