Interessante

Andrea Doria, 1466-1560

Andrea Doria, 1466-1560


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Andrea Doria, 1466-1560

Andrea Doria (1466-1560) foi um dos líderes italianos mais bem-sucedidos das guerras italianas de longa duração e foi um líder naval muito capaz que acabou com sua vida como governante de Gênova.

Doria nasceu em uma família genovesa poderosa, mas sua carreira começou enquanto sua família estava em desvantagem na cidade. Seu primeiro empregador foi o Papa Inocêncio VIII (1484-1492). Ele foi então contratado por Fernando I de Nápoles (r.1458-94) e Alfonso II de Nápoles (r.1494-95). Ele também passou algum tempo trabalhando para o Gênova, ajudando seu tio Domenico a acabar com uma revolta da Córsega em 1503-6. Em 1510 foi nomeado capitão-geral das galeras genovesas.

Depois disso, Andrea foi para o mar, a princípio comandando uma frota de oito galés. Ele lutou contra os piratas berberes e aprimorou sua reputação com uma vitória impressionante sobre os turcos otomanos em Pianosa (1519).

Em 1522, Carlos V enviou o Marquês de Pescara para conquistar Gênova. Em resposta, Doria entrou ao serviço de Francisco I da França (Primeira Guerra Habsburgo-Valois, 1521-1526) e foi nomeado almirante da Frota Francesa do Mediterrâneo. Em 1524, as forças imperiais invadiram a Provença e sitiaram Marselha. Doria atacou as linhas de abastecimento imperiais e, em agosto, os imperiais foram forçados a levantar o cerco.

Depois que Francisco foi capturado em Pavia (1525), Doria entrou ao serviço do Papa Cimento VII, mas ele voltou ao serviço francês depois que Francisco foi libertado em 1526.

Nesse ponto, Gênova estava em mãos imperiais, mas Doria e os franceses conseguiram recapturá-la. Os franceses então alienaram Doria, que mudou de lado, entrando ao serviço de Carlos V. Doria foi capaz de levar a frota genovesa com ele, retirando-a de um bloqueio de Nápoles. Doria e Charles expulsaram os franceses de Gênova. Doria fez uma entrada triunfal em sua cidade natal em setembro de 1528, enquanto Carlos o tornava Príncipe de Melfi e Grande Almirante da Frota Imperial.

Doria era agora o governante efetivo de Gênova. Ele montou uma república oligárquica, com o poder compartilhado entre as principais famílias aristocráticas e projetada para tentar prevenir as lutas de facções amargas que assolaram a cidade. O próprio Doria permaneceu capitão-geral das galés, mas sua influência permaneceu suprema.

Doria também levou a sério seu posto de almirante imperial, lutando nas guerras de Carlos V contra os otomanos. Ele tomou Coron / Koroni e Patris / Patrai em 1525 e esteve envolvido na captura de Túnis em 1535. Em 1537, ele suspendeu um cerco otomano a Corfu.

Doria não era imbatível no mar. Em 27 de setembro de 1538 ele era o comandante de uma frota conjunta imperial, veneziana e genovesa que foi derrotada por Khair-ed-Din (Barbarossa) na batalha de Préveza. Seus rivais políticos afirmavam que Doria havia perdido deliberadamente a batalha para irritar os venezianos, mas Barbarossa era um almirante muito capaz e mais do que capaz de vencer sem tal conspiração. A derrota teve impacto em Veneza, que foi forçada a abandonar os últimos pontos de apoio no Egeu.

Em 1541, Doria participou da invasão malsucedida de Carlos V de Argel e desempenhou um papel importante na fuga da maior parte do exército de Carlos.

Em 1544, a quarta e última guerra entre Francisco I e Carlos V terminou. Doria permaneceu no poder em Gênova, embora ele tivesse que armar uma série de conspirações contra seu poder.

Em 1547, estourou a Quinta e última Guerra Habsburgo-Valois. No início, as principais preocupações de Doria eram em casa, onde ele teve que reprimir uma revolta liderada por Giovanni Luigi Fiesco (filho de um dos amigos mais próximos de Doria e líder do acampamento pró-francês em Gênova) em 1547 e uma segunda revolta em 1548, sugerindo que suas tentativas de esmagar a luta entre facções em Gênova não tiveram o sucesso que ele esperava. A primeira revolta esteve muito perto do sucesso - em 2 de janeiro, os rebeldes assumiram o controle da frota e Doria foi forçada a fugir da cidade, mas Fiesco se afogou durante o ataque e com sua morte muito do coração saiu da revolta. Doria pôde retornar dois dias depois e se vingou dos membros sobreviventes da família Fiesco.

Em 1550, ele participou de uma expedição naval punitiva contra os piratas berberes que conseguiu muito pouco.

A última campanha de Doria foi na Córsega. A ilha fora governada pelo banco genovês de San Giorgio, mas foi capturada pelos franceses. Doria passou 1553-1555 lutando na Córsega, obtendo alguns sucessos.

Doria aposentou-se em 1555 e morreu em Gênova em 25 de novembro de 1560. Seu comando naval e suas propriedades passaram para seu sobrinho-neto Giovanni Andrea Doria.


Andrea

Andrea é um nome que é comum em todo o mundo para homens e mulheres, cognato a Andreas e Andrew.

Andrea
Pronúncia / ˈ æ n d r i ə, ˈ ɑː n - / A (H) N -dree-ə,
/ ɑː n ˈ d r eɪ. ə / ahn- DRAY -ə
Italiano: [anˈdrɛːa]
GêneroFeminino (maioria dos idiomas)
Masculino (a maioria dos casos, albanês, italiano e romanche)
Línguas)grego aner, andros, "homem" (ou seja, homem adulto)
Origem
Significado'viril', 'viril'
Outros nomes
Veja tambémAndre, Andreas, Andrew, Andy / Andie, Adrian

É tradicionalmente popular porque, de acordo com a Bíblia cristã, Santo André foi um dos primeiros discípulos de Jesus e um dos doze apóstolos. [ citação necessária ]


Andrea Doria e Gênova

Passamos alguns dias em Gênova com amigos - um lindo tempo ensolarado no final de setembro. A interessante e extensa cidade velha, com suas ruas estreitas e becos perto do antigo porto, contrasta com os grandes palácios 16 e 17 de famílias genovesas ricas ao longo da Via Garabaldi (originalmente a Strada Nuova). No centro da cidade estão a Catedral de São Lourenço e o Palácio Ducal. A vizinha Piazza de Ferrari separa o centro medieval da cidade do século XIX. Existem muitos bares e restaurantes que servem pratos genoveses e italianos com uma boa relação preço / qualidade.

Catedral de San Lorenzo, Gênova

A Piazza de Ferrari, Gênova

O Palácio Ducal da Piazza Matteotti.

O telhado de San Lorenzo olhando para o Palácio Ducal. Havia uma passagem no telhado do palácio para a catedral para que os governantes pudessem chegar à galeria elevada dentro da catedral para assistir à missa em segurança.

O excelente ‘Galata Museo de Mare’ (Museu do Mar) na área do antigo porto vale bem a pena uma visita. Seus 5 andares abrigam uma reprodução em tamanho real de uma 16ª galera genovesa, detalhes sobre as viagens de Cristóvão Colombo com maquetes de suas embarcações, um 19º bergantim, uma extensa mostra relacionada à migração da Itália para os Estados Unidos, vídeos sobre a história de Gênova e muito mais, junto com excelentes vistas da cidade do telhado.

Andrea Doria (1466-1560) viria a se tornar o almirante de Carlos V e aliado de maior confiança na Itália. Nascido na velha mas empobrecida família genovesa D'Oria e órfão muito jovem, ele trabalhou seu caminho até o auge do poder em Gênova. A área ao redor da igreja de San Matteo é cercada por várias mansões grandiosas construídas pela família Doria. O túmulo de Andrea Doria é a cripta da igreja.

Andrea Doria - usando a insígnia da Ordem do Velocino de Ouro

San Matteo, a igreja da família Doria.

A cripta da família Doria na igreja de San Matteo

Os claustros de San Matteo

Em 1521 ele encomendou a construção de um grande palácio a oeste da cidade - o Villa del Principe. Na época, sua localização fora da cidade significava que era cercada por belos jardins que se estendiam até o mar. O imperador Carlos V ficou aqui várias vezes, a primeira em 1529, a caminho da Espanha para se encontrar com o papa Clemente VII para sua coroação como imperador. A villa está agora rodeada por estradas e ferrovias principais, mas tem jardins agradáveis ​​e contém muitos afrescos, pinturas, tapeçarias e móveis do século 16 em diante.

O terraço da Villa del Principe dos jardins

Nos jardins da Villa del Principe

Andrea Doria e o imperador Carlos V

Inicialmente um soldado mercenário, Doria mais tarde serviu na frota genovesa, eventualmente se tornando o comandante naval da cidade, lutando contra os corsários (piratas) berberes em todo o Mediterrâneo. No início de 1520, ele foi contratado e nomeado capitão-geral pelo rei francês, Francisco I, para lutar contra o Imperador Carlos. No entanto, Doria ficou insatisfeita com o fracasso de Francisco em honrar seus compromissos de recompensar a ele e a Gênova. No final de seu contrato em junho de 1528, ele ordenou que seus navios abandonassem o bloqueio francês de Nápoles, salvando assim a cidade para o imperador Carlos, navegou para Gênova, expulsou os franceses e restabeleceu a república de Gênova sob a proteção do Império.

Por mais de vinte anos, ele efetivamente governou Gênova, embora tenha recusado o título de "Doge", e comandou a marinha do imperador. Participou nas campanhas contra Túnis (1535) e Argel (1541), comandou a frota da Santa Liga na Batalha de Prevesa (1538) e a frota ítalo-espanhola na Batalha de Ponza (1552), todas parte de Os esforços de Carlos para evitar as constantes incursões da frota otomana sob primeiro Barbarossa e depois Turgut Reis. Ele também liderou a frota imperial contra os franceses (que às vezes eram aliados dos otomanos), especialmente em seus esforços para obter o controle da Córsega.

Gênova e a família Doria em particular se saíram muito bem por sua lealdade a Carlos. A cidade recebeu amplos direitos comerciais e as famílias de comerciantes e bancários puderam se beneficiar muito com as riquezas das Américas que chegavam à Espanha. Quando Charles estava viajando da Espanha para a Itália, e às vezes para a Alemanha e os Países Baixos, ele navegou de Barcelona para Gênova. Diz-se que em certa ocasião Doria ofereceu a Carlos e sua companhia um banquete servido em prata. Para impressionar Charles ao terminar a refeição, Doria mandou que o serviço fosse lançado ao mar. O que ele não disse a Charles foi que instruíra os pescadores a se prepararem para recuperar a prata na manhã seguinte. No entanto, Doria sempre teve como objetivo proteger a independência de Gênova. Ele resistiu aos esforços de Carlos para fazê-lo concordar com a construção de uma cidadela em Gênova, uma vez que seria guarnecida pelas tropas espanholas.

Charles estava muito ciente da importância para ele de Doria e da aliança genovesa. Em seu Testamento Político, escrito para seu filho Filipe em 1548, ele deixou claro que Gênova era seu aliado mais importante na Itália, tanto estratégica quanto comercialmente, e que Filipe deveria fazer tudo o que pudesse para preservar e fortalecer a influência de Andrea Doria. Em 1547, o próprio Carlos ordenou que vários conspiradores contra Doria fossem executados e o filho do Papa Paulo III, Pier Luigi Farnese, duque de Parma, que havia apoiado a conspiração, foi assassinado. Carlos havia colocado sua aliança com Doria acima das boas relações com o papa.

A frota da Santa Liga sob Andrea Doria deixa Gênova em 1538. (Retirado de um vídeo em exibição no Galata Museo del Mare, Gênova)


BIOGRAPHIES GENOA

Andrea Doria (1466-1560), iniciou sua carreira como capitão da fortuna. Tendo se tornado almirante, prestou seus serviços ao rei Francisco I da França, ao papa Clemente VII e, a partir de 1528, ao imperador Carlos V. Foi sua associação com os Habsburgos que determinou a sorte de Doria e da República de Gênova. Andrea Doria se destacou como patrono junto com sua esposa Peretta Usodimare, ele criou uma corte renascentista que permaneceu um modelo para a história genovesa.

Biografia

Andrea Doria (1466-1560) nasceu em um ramo menor de uma das famílias mais ilustres da Ligúria. Ele começou sua carreira como um soldado da fortuna a serviço de vários mestres. Depois de se tornar almirante, serviu ao Rei Francisco I da França, ao Papa Clemente VII e, a partir de 1528, ao Imperador Carlos V. Foi sua relação com os Habsburgos que determinou a fortuna da família Doria e da República de Gênova, graças ao aliança com a Espanha, colocando-os no centro da política internacional do século XVII. Além de suas habilidades como político e navegador, Andrea Doria se destacou como condottiere e junto com sua esposa Peretta Usodimare fundou uma corte renascentista que permaneceu um modelo na história genovesa.

Andrea Doria nasceu em 1466, filha de Ceva e Caracosa Doria di Dolceacqua. Em 1484, órfão e privado de sua parte da herança feudal, ele se mudou para Roma sob as ordens de Nicolò Doria, Comandante da Guarda Papal sob [o Papa genovês] Inocêncio VIII. Sua carreira militar começou a serviço da família Montefeltro de Urbino e posteriormente com a família Della Rovere. Em 1513, Andrea entrou ao serviço da República Genovesa e três anos depois, comprou três galés e passou a contratar seus serviços a Francisco I, Rei da França (1522-28) e ao Papa Médici Clemente VII (1526). Foi durante o serviço de Andrea Doria na corte do Papa Clemente que Sebastiano del Piombo pintou seu retrato como o almirante do Papa, agora em exibição no museu de Villa del Principe. Em agosto de 1528, Andrea Doria assinou um novo contrato que o ligava ao imperador Carlos V, e sua frota de doze galés e três navios de guerra trirreme foi colocada a serviço dos Habsburgos, ganhando um salário de 90.000 scudi um ano. Andrea Doria pediu e obteve de Carlos V, a submissão de Savona e a independência de Gênova, aliada, mas não sujeita ao poder imperial. Ao libertar a cidade da ocupação francesa, ele ganhou o título de Pater Patriae e como presente de agradecimento da República, recebeu um edifício no centro da cidade, junto à capela da família de San Matteo que restaurou por Giovannangelo Montorsoli que se tornou a sua capela funerária. Em sua homenagem, uma grande estátua comemorativa também foi erguida na cidade de Gênova.

Em 1528, o almirante reformou a constituição da República genovesa e deu-se o título de prior perpétuo dos sindicatos, tornando-se assim o campeão e fiador do sistema republicano enquanto na verdade, embora não legalmente, assumisse o papel de Senhor de Gênova.

Enquanto estava a serviço de Carlos V, Andrea lutou contra piratas, incluindo os notórios Barbarossa e Dragut. Em 1531, ele recebeu do Imperador o título de Príncipe de Melfi em Basilicata e foi condecorado com a Ordem do Velocino de Ouro, o Toson d'Oro.

Junto com sua esposa Peretta Usodimare, Andrea estabeleceu uma nobre corte renascentista que permaneceu única na história genovesa.


Andrea Doria, 1466-1560 - História

Andrea Doria é considerado um dos, senão o maior oficial da Marinha e estrategista dos séculos XV a XVII. Além disso, ele foi um político astuto, negociador internacional e organizador talentoso que recusou a oportunidade de ascender a rei ou ditador de sua Gênova natal em favor do estabelecimento de uma das primeiras repúblicas da Europa.

Andrea Doria nasceu em Oneglia, membro da poderosa família genovesa Doria em 1466. Ele ficou órfão muito jovem e tornou-se um soldado rico, servindo primeiro como guarda papal e depois a serviço de vários príncipes italianos.

Em 1503, ele se tornou um herói naval em Gênova, ajudando a expulsar os franceses da cidade. Posteriormente, ele liderou a frota naval genovesa no Mediterrâneo por vários anos, freqüentemente em confronto com os piratas turcos e berberes no Mediterrâneo Oriental.

Eventualmente, a cidade de Gênova voltou ao controle da monarquia francesa, mas foi perdida para os exércitos do Sacro Imperador Romano da Áustria e da Espanha em 1522. Em 1524, o rei francês Francisco I alistou os serviços de Doria como capitão-geral de sua frota. Doria é responsável por liderar o alívio naval da cidade portuária francesa de Marselha, que estava sendo sitiada pelas forças imperiais de Carlos. Seu comando naval e conexões com a elite de Gênova também ajudaram a expulsar os austríacos e devolver Gênova ao controle francês.

Doria ficou insatisfeita com seu tratamento sob os franceses e trocou de lado, formando uma aliança com a Áustria / Espanha e o Sacro Imperador Romano Carlos. Com a aliança formada, o almirante Doria conduziu a frota genovesa de volta à cidade expulsando os franceses. Um mestre político Doria foi autorizado pelo Sacro Imperador Romano a estabelecer uma República independente de Gênova sob proteção imperial. O almirante Doria, com o apoio do imperador, poderia ter se promovido como rei de Gênova ou ditador vitalício. No entanto, ele escolheu estabelecer uma Constituição Republicana dividindo o controle da cidade entre um conselho de 28 famílias nobres mercantes ou Alberghi. Entre essas 28 famílias estavam os clãs Doria, Grimaldi, Serra, DeMari e Pallavicini, para citar alguns. O almirante Doria aceitou o cargo de Censor perpétuo do conselho e, a partir dessa posição, exerceu uma posição dominante sobre Alberghi e os assuntos de Gênova pelo resto de sua vida. Os Alberghi eram as mais poderosas famílias de nobres mercadores de Gênova. Combinados, seus interesses mercantis se estendiam por toda a Europa e acabariam por atingir o mundo inteiro. Os clãs eram rivais comerciais ferozes, mas freqüentemente exibiam alianças mutantes consumadas com casamentos entre famílias.

Durante seu reinado imperial, Carlos considerou as habilidades navais do almirante Doria inestimáveis ​​em seu conflito contínuo com os franceses. Como almirante imperial, Doria liderou a frota em várias campanhas bem-sucedidas contra o Império Francês e Otomano e ajudou a estender a autoridade de Carlos sobre toda a península italiana. Entre suas muitas recompensas por seus serviços ao imperador Carlos, o almirante Doria recebeu o condado de Melfi no sul da Itália em 1538. Em um interessante ato de auto-indulgência, ele assumiu, após a nomeação do condado, o título de Príncipe de Melfi . Essencialmente, ele tratou o condado como seu principado pessoal. Melfi era considerado pouco mais do que um investimento gerador de receitas a ser administrado por um senhorio ausente. Na época da aquisição de Doria em meados dos anos 1500, o condado de Melfi era imediatamente adjacente ao condado de Balvano, onde San Fele estava localizada. A influência da família Doria na região dos Abutres remonta a 1538.

Embora o almirante Doria em 1538 tivesse 72 anos, o papa Paulo III o convenceu a liderar uma frota imperial aumentada com a frota de Veneza e os cavaleiros malteses contra a frota do Império Otomano que estava se expandindo no Mediterrâneo Oriental. Este conflito terminou com a derrota desastrosa da marinha europeia na batalha de Preveza em 1538. A marinha do Império Otomano dominaria e expandiria seu controle sobre o Mar Mediterrâneo Oriental pelos 33 anos seguintes.

Apesar de sua idade avançada e de sua derrota nas mãos da frota turca em 1538, o almirante Doria continuou a liderar a complexa política de Gênova e liderar ativamente o exército e a marinha genoveses em combates adicionais contra os otomanos, os piratas berberes e os franceses até o ano passado. 1555. Em 1555, aos 89 anos, ele finalmente cedeu o comando ativo da frota a seu sobrinho-neto Giovanni Andrea Doria, mas continuou a servir e participar ativamente da política genovesa como Censor até os 90 anos.

O almirante Doria não teve filhos e deixou seus títulos e herança para seu sobrinho-neto e filho adotivo Giovanni, incluindo o título e as terras do condado de Melfi. Através da sucessão, este ramo da família Doria casou-se com a poderosa família ítalo-espanhola de Pamphilj, o que a tornou conhecido como o ramo Doria-Pamphilii da família Doria. A riqueza e o prestígio deste ramo foram enormes ao longo dos séculos e entre seus descendentes está incluído o Papa Inocêncio X. A família manteve muitos títulos, incluindo Príncipe de Melfi e continuou como Condes e proprietários ausentes do Condado de Melfi até o século XIX. Ao longo dos três séculos de soberania, o condado de Melfi se expandiu com a compra de grande parte do território adjacente do condado de Balvano. San Fele tornou-se parte das propriedades do condado da família Doria no ano de 1613.

Muitas das famílias Alberghi de Gênova traçaram alianças políticas e casamentos não apenas entre si, mas também em todas as casas nobres da Europa. Muitas famílias nobres e ricas / politicamente conectadas ao longo dos séculos na Europa passaram a ser conectadas aos clãs Alberghi. As complexidades dessas relações familiares tiveram uma influência significativa na história europeia por centenas de anos.


Andrea Doria

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Andrea Doria, (nascido em 30 de novembro de 1466, Oneglia, Ducado de Milão [Itália] - falecido em 25 de novembro de 1560, Gênova), estadista genovês, condottiere (comandante mercenário) e almirante que foi o principal líder naval de seu tempo.

Membro de uma antiga família aristocrática genovesa, Doria ficou órfã muito jovem e tornou-se um soldado da fortuna. Ele serviu pela primeira vez ao papa Inocêncio VIII (reinou de 1484 a 1492) quando Gênova foi vítima das brigas de famílias rivais. Soldado extremamente hábil, foi sucessivamente contratado pelo rei Fernando I e seu filho Alfonso II de Nápoles e por vários príncipes italianos. De 1503 a 1506, ele ajudou seu tio Domenico a reprimir a revolta da Córsega contra o domínio genovês.

Decidindo tentar sua fortuna no mar, Doria equipou oito galeras e patrulhou o Mediterrâneo, lutando contra os turcos otomanos e os piratas berberes, aumentando sua reputação e fortuna. Ele obteve uma vitória brilhante sobre os turcos em Pianosa em 1519. Depois que as forças do Sacro Império Romano Carlos V tomaram Gênova (1522) e depuseram a facção pró-francesa lá, Doria entrou ao serviço de Francisco I da França, que lutava contra Carlos V na Itália. Como almirante da frota francesa do Mediterrâneo, Doria obrigou o exército do imperador a levantar o cerco de Marselha em 1524. Após a derrota francesa em Pavia (1525), na qual Francisco foi feito prisioneiro pelas forças imperiais, Doria serviu ao Papa Clemente VII.

Quando Francisco foi libertado (1527), Doria voltou às forças francesas, o que o ajudou a capturar Gênova das forças imperiais. Mas Doria logo se desiludiu com a política francesa em relação a Gênova e com as intenções de Francisco para consigo mesmo, e então ele transferiu seus serviços para Carlos V. Em setembro de 1528, Doria e suas forças expulsaram os franceses de Gênova e foram triunfantemente recebidos pela cidade. Carlos V concedeu-lhe riquezas e honras, nomeando-o grande almirante da frota imperial e príncipe de Melfi.

Como o novo governante de Gênova, Doria eliminou as facções que haviam assolado a cidade e constituiu uma nova forma oligárquica de governo composta pelas principais famílias aristocráticas da cidade. (Sua constituição reformada para Gênova duraria até 1797.) De 1528 até sua morte, Doria exerceu uma influência predominante nos conselhos da república genovesa. Como almirante imperial comandou várias expedições navais contra os turcos, tendo Coron (Koróni) e Patras (Pátrai) e ajudando na captura de Tunis (1535). Carlos V encontrou Doria um aliado inestimável em suas guerras com Francisco e usou os serviços do primeiro para estender seu domínio sobre toda a península italiana.

Embora ele tivesse 78 anos quando a paz foi estabelecida entre Francisco e Carlos em 1544, Doria ainda não se aposentou. Ele tinha feito muitos inimigos entre as famílias pró-francesas em Gênova, e em 1547 a família Fieschi empreendeu uma conspiração contra a família Doria que resultou no assassinato do sobrinho de Doria, Giannettino. (Ver Fieschi, Gian Luigi.) Os conspiradores foram derrotados, entretanto, e Doria os puniu com grande vingança. Outras conspirações contra ele e sua família se seguiram, mas todas falharam.

A idade não diminuiu a energia de Doria, e aos 84 anos ele navegou contra os piratas berberes. Quando uma nova guerra eclodiu entre a França e a Espanha, ele lutou contra os franceses, que haviam tomado a Córsega, então administrada pelo banco genovês de San Giorgio. Ele se aposentou em Gênova em 1555, passando o comando de sua frota para seu sobrinho-neto Giovanni Andrea Doria.

Um dos últimos grandes condottieri, Doria tinha muitos dos defeitos de sua profissão: era ganancioso, vaidoso, vingativo, inescrupuloso, cruel e autoritário. No entanto, ele também era um comandante militar destemido e incansável, dotado de notáveis ​​talentos táticos e estratégicos. Ele era genuinamente devotado à sua cidade natal de Gênova, cuja liberdade ele garantiu de potências estrangeiras e cujo governo ele reorganizou em uma oligarquia eficaz e estável.


Ближайшие родственники

Sobre Andrea Doria, I principe di Melfi

Andrea Doria (30 de novembro de 1466 & # x2013 25 de novembro de 1560) foi um condottiero italiano e almirante de Gênova.

Doria nasceu em Oneglia na antiga família genovesa, o ramo Doria di Oneglia da antiga família Doria, de Oria ou de Auria. Seus pais eram parentes: Ceva Doria, co-senhor de Oneglia, e Caracosa Doria, do ramo Doria di Dolceacqua. Órfão em tenra idade, ele se tornou um soldado rico, servindo primeiro na guarda papal e depois sob vários príncipes italianos.

Em 1503 lutava na Córsega a serviço de Gênova, então sob vassalagem francesa, e participou do levante de Gênova contra os franceses, que obrigou a evacuar a cidade. A partir dessa época, tornou-se famoso como comandante naval. Por vários anos ele vasculhou o Mediterrâneo no comando da frota genovesa, travando guerra contra os piratas turcos e berberes.

Nesse ínterim, Gênova foi recapturada pelos franceses e em 1522 pelos exércitos do Sacro Imperador Romano.

Mas Doria juntou-se à facção francesa ou popular e entrou ao serviço do rei Francisco I da França, que o fez capitão-geral em 1524, ele substituiu Marselha, que foi sitiada pelos imperialistas, e mais tarde ajudou a colocar sua cidade natal mais uma vez sob o domínio francês dominação.

Insatisfeito com o tratamento dado por Francisco, que era mesquinho com os pagamentos, ele se ressentiu do comportamento do rei em relação a Savona, que demorou a devolver aos genoveses como havia prometido.

Consequentemente, com o término do contrato de Doria, ele entrou ao serviço do imperador Carlos V (1528).

Doria ordenou a seu sobrinho Filippino, que então bloqueava Nápoles em aliança com um exército francês, que retirasse Doria e partiu para Gênova, onde, com a ajuda de alguns cidadãos importantes, expulsou os franceses e restabeleceu a república sob proteção imperial.

Ele reformou a constituição em um sentido aristocrático, sendo a maior parte da nobreza imperialista, e pôs fim às facções que dividiam a cidade, criando 28 Alberghi ou "clãs". Os 28 Alberghi que formaram essa nova classe dominante incluíam as famílias Cybo, Doria, Fieschi, Giustiniani, Grimaldi, Imperiale, Pallavicino e Spinola.

Ele recusou ofertas para assumir o senhorio de Gênova e até mesmo a dogeship, mas aceitou a posição de "censor perpétuo" e exerceu influência predominante nos conselhos da república até sua morte. O título & quotcensor & quot neste contexto foi modelado em seu significado na República Romana (ou seja, um funcionário público sênior altamente respeitado - veja censor romano), ao invés de seu significado moderno relacionado com censura. Ele recebeu dois palácios, muitos privilégios e o título de Liberator et Pater Patriae (Libertador e Pai de seu país).

Como almirante imperial, ele comandou várias expedições contra o Império Otomano, capturando Koroni e Patras, e cooperando com o próprio imperador na captura de Túnis (1535). Carlos o encontrou um aliado inestimável nas guerras com Francisco I e, por meio dele, estendeu seu domínio sobre toda a Itália.

Em fevereiro de 1538, o Papa Paulo III conseguiu reunir uma Santa Liga (incluindo o papado, a Espanha, o Sacro Império Romano, a República de Veneza e os cavaleiros malteses) contra os otomanos, mas Hayreddin Barbarossa derrotou sua frota combinada, comandada por Andrea Doria , na Batalha de Preveza em setembro de 1538. Essa vitória garantiu o domínio turco sobre o Mediterrâneo pelos 33 anos seguintes, até a Batalha de Lepanto em 1571.

Ele acompanhou Carlos V na expedição malfadada de Argel de 1541, que ele desaprovou, e que terminou em desastre. Nos cinco anos seguintes, ele continuou a servir ao imperador em várias guerras, nas quais foi geralmente bem-sucedido e sempre ativo, embora já tivesse mais de setenta anos.

Após a Paz de Cr & # x00e9py entre Francisco e Carlos em 1544, Doria esperava terminar seus dias em silêncio. No entanto, sua grande riqueza e poder, assim como a arrogância de seu sobrinho e herdeiro Giannettino Doria, fizeram dele muitos inimigos, e em 1547 a conspiração Fieschi para tirar sua família do poder aconteceu. Giannettino foi morto, mas os conspiradores foram derrotados, e Doria mostrou grande vingança ao puni-los, confiscando muitos de seus feudos para si. Ele também foi implicado no assassinato de Pier Luigi Farnese, duque de Parma e Piacenza, que ajudou Fieschi.

Outras conspirações se seguiram, das quais a mais importante foi a de Giulio Cybo (1548), mas todas falharam. Embora Doria fosse ambicioso e severo, ele era um patriota e se opôs com sucesso às repetidas tentativas do imperador Carlos de construir uma cidadela em Gênova e guarnecer os espanhóis que nem lisonjas nem ameaças poderiam conquistá-lo para o esquema.

Nem a idade diminuiu sua energia, pois em 1550, aos 84 anos, ele novamente embarcou para enfrentar os piratas berberes, mas sem grande sucesso. Em 1552, a frota otomana sob o comando de Turgut Reis derrotou a frota ítalo-espanhola de Carlos V sob o comando de Andrea Doria na Batalha de Ponza (1552). Uma vez estourada a guerra entre a França e o Império, os franceses tomaram a Córsega na Invasão da Córsega (1553), então administrada pelo Banco Genovês de São Jorge. Doria foi novamente convocado e ele passou dois anos (1553 & # x20131555) na ilha lutando contra os franceses com fortuna variada.

Retornou definitivamente a Gênova em 1555 e, estando muito velho e enfermo, entregou o comando das galés a seu sobrinho-neto Giovanni Andrea Doria, filho de Giannettino Doria, que conduziu uma expedição contra Trípoli, mas provou ainda mais malsucedido que seu tio-avô tivera em Argel, escapando por pouco com vida depois de perder a Batalha de Djerba contra a frota turca de Piyale Pasha e Turgut Reis. Andrea Doria deixou suas propriedades para Giovanni Andrea. A família de Doria-Pamphili-Landi é descendente de Giovanni Andrea Doria e tem o título de Príncipe de Melfi. Julgado pelos padrões de sua época, Doria foi um líder notável.


Ближайшие родственники

Sobre Andrea Doria, I principe di Melfi

Andrea Doria (30 de novembro de 1466 & # x2013 25 de novembro de 1560) foi um condottiero italiano e almirante de Gênova.

Doria nasceu em Oneglia na antiga família genovesa, o ramo Doria di Oneglia da antiga família Doria, de Oria ou de Auria. Seus pais eram parentes: Ceva Doria, co-senhor de Oneglia, e Caracosa Doria, do ramo Doria di Dolceacqua. Órfão em tenra idade, ele se tornou um soldado rico, servindo primeiro na guarda papal e depois sob vários príncipes italianos.

In 1503 he was fighting in Corsica in the service of Genoa, at that time under French vassalage, and he took part in the rising of Genoa against the French, whom he compelled to evacuate the city. From that time onwards, he became famous as a naval commander. For several years he scoured the Mediterranean in command of the Genoese fleet, waging war on the Turks and the Barbary pirates.

In the meanwhile Genoa had been recaptured by the French, and in 1522 by the armies of the Holy Roman Emperor.

But Doria joined the French or popular faction and entered the service of King Francis I of France, who made him captain-general in 1524 he relieved Marseille, which was besieged by the Imperialists, and later helped to place his native city once more under French domination.

Dissatisfied with his treatment at the hands of Francis, who was mean about payment, he resented the king's behavior in connection with Savona, which he delayed handing back to the Genoese as he had promised.

Consequently, on the expiration of Doria's contract he entered the service of Emperor Charles V (1528).

Doria ordered his nephew Filippino, who was then blockading Naples in alliance with a French army, to withdraw Doria then sailed for Genoa where, with the help of some leading citizens, he expelled the French and re-established the republic under imperial protection.

He reformed the constitution in an aristocratic sense, most of the nobility being Imperialists, and put an end to the factions which divided the city, by creating 28 Alberghi or "clans". The 28 Alberghi that formed this new ruling class included the Cybo, Doria, Fieschi, Giustiniani, Grimaldi, Imperiale, Pallavicino, and Spinola families.

He refused offers to take the lordship of Genoa and even the dogeship, but accepted the position of "perpetual censor", and exercised predominant influence in the councils of the republic until his death. The title "censor" in this context was modeled on its meaning in the Roman Republic (i.e. a highly respected senior public official - see Roman censor), rather than its modern meaning having to do with censorship. He was given two palaces, many privileges, and the title of Liberator et Pater Patriae (Liberator and Father of his Country).

As imperial admiral he commanded several expeditions against the Ottoman Empire, capturing Koroni and Patras, and co-operating with the emperor himself in the capture of Tunis (1535). Charles found him an invaluable ally in the wars with Francis I, and through him extended his domination over the whole of Italy.

In February 1538, Pope Paul III succeeded in assembling a Holy League (comprising the Papacy, Spain, the Holy Roman Empire, the Republic of Venice and the Maltese Knights) against the Ottomans, but Hayreddin Barbarossa defeated its combined fleet, commanded by Andrea Doria, at the Battle of Preveza in September 1538. This victory secured Turkish dominance over the Mediterranean for the next 33 years, until the Battle of Lepanto in 1571.

He accompanied Charles V on the ill-fated Algiers expedition of 1541, of which he disapproved, and which ended in disaster. For the next five years he continued to serve the emperor in various wars, in which he was generally successful and always active, although now over seventy years old.

After the Peace of Crépy between Francis and Charles in 1544, Doria hoped to end his days in quiet. However, his great wealth and power, as well as the arrogance of his nephew and heir Giannettino Doria, had made him many enemies, and in 1547 the Fieschi conspiracy to dislodge his family from power took place. Giannettino was killed, but the conspirators were defeated, and Doria showed great vindictiveness in punishing them, seizing many of their fiefs for himself. He was also implicated in the murder of Pier Luigi Farnese, duke of Parma and Piacenza, who had helped Fieschi.

Other conspiracies followed, of which the most important was that of Giulio Cybo (1548), but all failed. Although Doria was ambitious and harsh, he was a patriot and successfully opposed Emperor Charles's repeated attempts to have a citadel built in Genoa and garrisoned by Spaniards neither blandishments nor threats could win him over to the scheme.

Nor did age lessen his energy, for in 1550, aged 84, he again put to sea to confront the Barbary pirates, but with no great success. In 1552 the Ottoman fleet under the command of Turgut Reis defeated the Spanish-Italian fleet of Charles V under the command of Andrea Doria in the Battle of Ponza (1552). War between France and the Empire having broken out once more, the French seized Corsica in the Invasion of Corsica (1553), then administered by the Genoese Bank of St George. Doria was again summoned, and he spent two years (1553�) on the island fighting the French with varying fortune.

He returned to Genoa for good in 1555, and being very old and infirm, he gave over the command of the galleys to his great-nephew Giovanni Andrea Doria, the son of Giannettino Doria, who conducted an expedition against Tripoli, but proved even more unsuccessful than his great-uncle had been at Algiers, barely escaping with his life after losing the Battle of Djerba against the Turkish fleet of Piyale Pasha and Turgut Reis. Andrea Doria left his estates to Giovanni Andrea. The family of Doria-Pamphili-Landi is descended from Giovanni Andrea Doria and bears his title of Prince of Melfi. Judged by the standards of his day, Doria was an outstanding leader.


1569 Life of Genoa Admiral Andrea Doria Italian Mercenary Holy Roman WARS Naples

Andrea Doria (1466 – 1560) was a Genoese mercenary and admiral.

We do not find this very rare book for sale anywhere else worldwide!

1569 Life of Genoa Admiral Andrea Doria Italian Mercenary Holy Roman WARS Naples

Andrea Doria (1466 – 1560) / Lorenzo Capelloni

Andrea Doria (1466 – 1560) was a Genoese mercenary and admiral.

We do not find this very rare book for sale anywhere else worldwide!

Main author: Lorenzo Capelloni

Título: Vita del prencipe Andrea Doria, descritta da M. Lorenzo Capelloni. Con un compendio della medesima vita, e con due tavole….

Publicados: Vinetia : G. Giolito di Ferrarii, 1569.

  • Famous biography of Andrea Doria
  • Original vellum binding
  • Stories of France and Holy Roman Wars
  • Doria’s involvement in the re-establishment of the Genoese republic
    • Ship admiral blockading in Naples

    Wear: wear as seen in photos

    Binding: secure vellum binding

    Pages: complete with all 188 pages plus indexes, prefaces, and such some pages loose but present

    Publisher: Vinetia : G. Giolito di Ferrarii, 1569.

    Very Fast. Very Safe. Free Shipping Worldwide.

    Customer satisfaction is our first priority. Notify us within 7 days of receiving your item and we will offer a full refund guarantee without reservation.

    Andrea Doria (or D’Oria) (30 November 1466 – 25 November 1560) was a Genoese condottiero and admiral.

    2 Wars between France and the Holy Roman Empire

    3 Re-establishment of the Genoese Republic

    4 Doria as imperial admiral

    7 Paintings and commemorations

    Natal home of Andrea Doria, in Oneglia

    Doria was born at Oneglia from the ancient Genoese family, the Doria di Oneglia branch of the old Doria, de Oria or de Auria family. His parents were related: Ceva Doria, co-lord of Oneglia, and Caracosa Doria, of the Doria di Dolceacqua branch. Orphaned at an early age, he became a soldier of fortune, serving first in the papal guard and then under various Italian princes.

    In 1503 he was fighting in Corsica in the service of Genoa, at that time under French vassalage, and he took part in the rising of Genoa against the French, whom he compelled to evacuate the city. From that time onwards, he became famous as a naval commander. For several years he scoured the Mediterranean in command of the Genoese fleet, waging war on the Turks and the Barbary pirates.

    Wars between France and the Holy Roman Empire[edit]

    In the meanwhile Genoa had been recaptured by the French, and in 1522 by the armies of the Holy Roman Emperor.

    But Doria joined the French or popular faction and entered the service of King Francis I of France, who made him captain-general in 1524 he relieved Marseille, which was besieged by the Imperials, and later helped to place his native city once more under French domination.

    Dissatisfied with his treatment at the hands of Francis, who was mean about payment, he resented the king’s behavior in connection with Savona, which he delayed handing back to the Genoese as he had promised.

    Consequently, on the expiration of Doria’s contract he entered the service of Emperor Charles V (1528).

    Re-establishment of the Genoese Republic[edit]

    Portrait of Andrea Doria as Neptune, by Agnolo Bronzino

    Doria ordered his nephew Filippino, who was then blockading Naples in alliance with a French army, to withdraw Doria then sailed for Genoa where, with the help of some leading citizens, he expelled the French and re-established the republic under imperial protection.

    He reformed the constitution in an aristocratic sense, most of the nobility being Imperialists, and put an end to the factions which divided the city, by creating 28 Alberghi or “clans”. The 28 Alberghi that formed this new ruling class included the Cybo, Doria, Fieschi, Giustiniani, Grimaldi, Imperiale, Pallavicino, and Spinola families.[1][2]

    He refused offers to take the lordship of Genoa and even the dogeship, but accepted the position of “perpetual censor”, and exercised predominant influence in the councils of the republic until his death. The title “censor” in this context was modeled on its meaning in the Roman Republic, i.e., a highly respected senior public official (see Roman censor), rather than its modern meaning having to do with censorship. He was given two palaces, many privileges, and the title of Liberator et Pater Patriae (Liberator and Father of His Country).

    Doria as imperial admiral[edit]

    As imperial admiral he commanded several expeditions against the Ottoman Empire, capturing Koroni and Patras, and co-operating with the emperor himself in the capture of Tunis (1535). Charles found him an invaluable ally in the wars with Francis I, and through him extended his domination over the whole of Italy.

    In February 1538, Pope Paul III succeeded in assembling a Holy League (comprising the Papacy, Spain, the Holy Roman Empire, the Republic of Venice and the Maltese Knights) against the Ottomans, but Hayreddin Barbarossa defeated its combined fleet, commanded by Andrea Doria, at the Battle of Preveza in September 1538. This victory secured Turkish dominance over the Mediterranean for the next 33 years, until the Battle of Lepanto in 1571.

    He accompanied Charles V on the ill-fated Algiers expedition of 1541, of which he disapproved, and which ended in disaster. For the next five years he continued to serve the emperor in various wars, in which he was generally successful and always active, although now over seventy years old.

    After the Peace of Crépy between Francis and Charles in 1544, Doria hoped to end his days in quiet. However, his great wealth and power, as well as the arrogance of his nephew and heir Giannettino Doria, had made him many enemies, and in 1547 the Fieschi conspiracy to dislodge his family from power took place. Giannettino was killed, but the conspirators were defeated, and Doria showed great vindictiveness in punishing them, seizing many of their fiefs for himself. He was also implicated in the murder of Pier Luigi Farnese, duke of Parma and Piacenza, who had helped Fieschi.

    Other conspiracies followed, of which the most important was that of Giulio Cybo (1548), but all failed. Although Doria was ambitious and harsh, he was a patriot and successfully opposed Emperor Charles’s repeated attempts to have a citadel built in Genoa and garrisoned by Spaniards neither blandishments nor threats could win him over to the scheme.

    Nor did age lessen his energy, for in 1550, aged 84, he again put to sea to confront the Barbary pirates, but with no great success. In 1552 the Ottoman fleet under the command of Turgut Reis defeated the Spanish-Italian fleet of Charles V under the command of Andrea Doria in the Battle of Ponza (1552). War between France and the Empire having broken out once more, the French seized Corsica in the Invasion of Corsica (1553), then administered by the Genoese Bank of Saint George. Doria was again summoned, and he spent two years (1553–1555) on the island fighting the French with varying fortune.

    He returned to Genoa for good in 1555, and being very old and infirm, he gave over the command of the galleys to his great-nephew Giovanni Andrea Doria, the son of Giannettino Doria, who conducted an expedition against Tripoli, but proved even more unsuccessful than his great-uncle had been at Algiers, barely escaping with his life after losing the Battle of Djerba against the Turkish fleet of Piyale Pasha and Turgut Reis. Andrea Doria left his estates to Giovanni Andrea. The family of Doria-Pamphili-Landi is descended from Giovanni Andrea Doria and bears his title of Prince of Melfi.

    Several ships were named in honour of the Admiral:

    Two United States Navy ships named USS Andrew Doria (1775 and 1908).

    The battleship Andrea Doria, completed in 1891, which served in the late 19th and early 20th century, was stricken in 1911, and served as the floating battery GR104 during World War I before being scrapped in 1929.

    The battleship Andrea Doria, completed in 1916, which served in both World War I and World War II and was stricken in 1956.

    The passenger liner SS Andrea Doria, which was launched in 1951, had her maiden voyage in 1953 and sank in 1956.

    The Italian missile cruiser Andrea Doria, built in 1964 and decommissioned in 1991.


    Amiral Andrea Doria

    .In Genua wordt hij geëerd als Vader des vaderlands wegens zijn aandeel in het tot stand komen van de Genuese onafhankelijkheid in 1528 De Andrea Doria was een oceaanstomer van de Italian Line (Italia - Società di navigazione Italia), vooral bekend vanwege haar ondergang op 26 juli 1956.Het schip was vernoemd naar de Genuese admiraal Andrea Doria.Het ondernam zijn maiden voyage op 14 januari 1953. De Andrea Doria werd beschouwd als een van de veiligste Italiaanse schepen en maakte tijdens haar korte varende bestaan zo'n. SS Andrea Doria pronounced [anˈdrɛːa ˈdɔːrja], was an ocean liner for the Italian Line (Società di navigazione Italia) home-ported in Genoa, Italy, known for her sinking in 1956, where 46 people died.. Named after the 16th-century Genoese admiral Andrea Doria, the ship had a gross register tonnage of 29,100 and a capacity of about 1,200 passengers and 500 crew Italian Admirals: Andrea Doria, Prince a: Llc, Books: Amazon.nl Selecteer uw cookievoorkeuren We gebruiken cookies en vergelijkbare tools om uw winkelervaring te verbeteren, onze services aan te bieden, te begrijpen hoe klanten onze services gebruiken zodat we verbeteringen kunnen aanbrengen, en om advertenties weer te geven

    Andrea Doria (1466-1560) was one of the most successful Italian leaders of the long-running Italian Wars and was a very able naval leader who ended his life as ruler of Genoa.. Doria was born into a powerful Genoese family, but his career began while his family was out of favour in the city Andrea Doria, Genoese statesman, condottiere (mercenary commander), and admiral who was the foremost naval leader of his time. A member of an ancient aristocratic Genoese family, Doria was orphaned at an early age and became a soldier of fortune. He first served Pope Innocent VIII (reigned 1484-92

    Andrea Doria (admiraal) - Wikipedi

    • Andrea Doria: Admiral des Abendlandes (German Edition) eBook: Plawenn, Oswald, Isser-Plawenn, Sylvia: Amazon.nl: Kindle Store Selecteer uw cookievoorkeuren We gebruiken cookies en vergelijkbare tools om uw winkelervaring te verbeteren, onze services aan te bieden, te begrijpen hoe klanten onze services gebruiken zodat we verbeteringen kunnen aanbrengen, en om advertenties weer te geven
    • Doria Family, also spelled D'oria, leading family in the political, military, and economic life of Genoa, from the 12th century onward.. Apparently of feudal origin, from Liguria and Provence, the Dorias first appeared in Genoese records early in the 12th century. Ansaldo Doria was elected consul of the commune of Genoa in 1134 and took part in several embassies and military expeditions
    • Giovanni Andrea Doria. Giovanni Andrea Doria, also Gianandrea Doria (1539-1606), was an Italian admiral from Genoa. He was the son of Giannettino Doria, and the father of Cardinal Giovanni Doria.He became the Admiral of the Genoese Fleet in 1556, and commanded the combined Christian fleet of the Holy League at the Battle of Djerba in 1560, which was won by the Ottoman Turks under the command.

    Doria Class stealthy units - built using cutting edge thermal and electromagnetic signature reduction technologies - will be primarily tasked with providing medium range air defence, but may be able to perform other duties as required Andrea Doria, 1466-1560. Italian Admiral. From Military And Religious Life In The Middle Ages By Paul Lacroix Published London Circa 1880. Vind hoogwaardige nieuwsfoto's in een hoge resolutie op Getty Image Genoese admiral and statesman, b. at Oneglia, Italy, 1468 d. at Genoa, 1560.His family belonged to the magnae quatuor prosapiae who disputed among themselves for the supremacy in Genoa, but the Adorni and Fregosi of the opposing faction excluded the Doria from power.At first Genoa sought union with France then, in 1464, Louis XI ceded it to the Duke of Milan

    10 Facts About The Tragic Andrea Doria Wreck | Thought Catalog The Andrea Doria was built in 1951 by Ansaldo Shipyards in Genoa Italy for the Italia de Navigazione S.p.A. better known as the Italian Line. She was named after the fifteenth century Genoese Admiral Andrea Doria. A statue of the admiral was erected in Andrea Doria's first class Andrea Doria (or D'Oria) (30 November 1466 - 25 November 1560) was an Italian condottiero and admiral from Genoa. 1 Early life 2 Wars between France and the Holy Roman Empire 3 Re-establishment of the Genoese Republic 4 Doria as imperial admiral 5 Later years 6 Ships 7 References 8 External links Doria was born at Oneglia from the ancient Genoese family, the Doria di Oneglia branch of the. Andrea Doria died on the 25th of November 1560, leaving his estates to Giovanni Andrea. The family of Doria-Pamphilii-Landi is descended from him and bears his title of prince of Melfi. Doria was a man of indomitable energy and a great admiral. If he appears unscrupulous and even treacherous he did but conform to the standards of 16th-century.

    Andrea Doria (schip, 1953) - Wikipedi

    • Doria died in 1560 in Genoa at the age of 93 and left his estate to Giovanni Andrea. The family of Doria-Pamphili-Landi is descended from the famous Admiral and bears his title, Prince of Melfi. Several Italian and US ships have been named after AndreaDoria
    • English: Andrea Doria or d'Oria (born 30 November 1466 - died 25 November 1560) was an admiral and politician of the Republic of Genoa. Français : Andrea Doria (30 novembre 1466 - 25 novembre 1560) est un condottiere et amiral de la République de Gênes
    • Portret van Andrea Doria, door Sebastiano del Piombo. Geboortehuis van Andrea Doria in Oneglia Neptunus, door Agnolo Bronzino Het Palazzo del Principe in Genua in de zestiende eeuw, toen het door Andrea Doria werd bewoond. Andrea Doria of D'Oria (Oneglia, 30 november 1466 - Genua, 25 november 1560) was een Genuese condottiere, admiraal en politicus. 45 relaties

    SS Andrea Doria - Wikipedi

    • Andrea Doria (admiraal) is beschikbaar in 36 andere talen. Terug naar Andrea Doria (admiraal). Talen. aragonés azərbaycanca Bahasa Indonesia catal
    • Andrea Doria als Neptunus, door Agnolo Bronzino (Publiek Domein - wiki) Einde loopbaan. Toen de achttiende september 1544 in het Franse Crépy een vredesbestand werd getekend tussen de Franse vorst François I en Karel V leek het erop dat hiermee een einde was gekomen aan Doria's militaire carrière
    • SS Andrea Doria map - The Andrea Doria was built in 1951 by Ansaldo Shipyards in Genoa Italy for the Italia de Navigazione S.p.A. better known as the Italian Line. She was named after the fifteenth century Genoese Admiral Andrea Doria. A statue of the admiral was erected i
    • SS Andrea Doria was named after a 16th-century admiral who once lived in the city of Genoa, the sixth largest city in Italy. It was painted black and white, the same colors as Titanic, with a beam reaching 27 meters and weight of 29,000 GRT (Gross Register Tonnage), almost a quarter of the weight of modern ocean liner Royal Caribbean International
    • The Rescue of Admiral Andrea Doria by: Dennis F. Morse, Master Diver, U.S.N. Man has been diving into the sea for thousands of years in search of treasure and excitement. In past centuries, there has always been a world recognized pinnacle. The twentieth century goal is now commonly known to be the ANDREA DORIA
    • Andrea Doria, 1466-1560. Italian Admiral. From Military And Religious Life In The Middle Ages By Paul Lacroix Published London Circa 1880. Get premium, high resolution news photos at Getty Image
    • g ships after him since at least 1885. In 1913, the Italians designed a battleship with 13 guns that they christened the Andrea Doria. It was rebuilt from 1937-1940 in preparation for World War II but largely stayed out of the conflict. It was finally scrapped in 1957—a year.

    Andrea Doria died on Nov. 25, 156o, leaving his estates to Giovanni Andrea. The family of Doria-Pamphilii-Landi (q.v.) is descended from him and bears his title of prince of Melfi. Doria was a man of indomitable energy and a great admiral. If he appears unscrupulous and even treacherous he did but con form to the standards of 16th century Italy Andrea Doria (or D'Oria) (30 November 1466 - 25 November 1560) wis a Genoese condottiero an admiral. Early life. Natal hame o Andrea Doria, in Oneglia. Doria wis born at Oneglia frae the auncient Genoese faimily, the Doria di Oneglia branch o the auld Doria, de Oria or de Auria faimily. His parents. Launched in 1951 the beautiful Andrea Doria, (named not for a woman, but for a sixteenth century Italian Admiral), was post-war Italy's chance to regain some of former maritime pride. Constructed at cost of 30 million dollars, the Italia Line then turned the seven-hundred foot leviathan into a trans-Atlantic palace of modern art

    Andrea Doria (Italian: [anˈdrɛ.a ˈdɔːrja] 30 November 1466 - 25 November 1560) was an Genoese statesman, condottiero and admiral, playing a key role in the Republic of Genoa during his lifetime Find the perfect Andrea Doria stock photos and editorial news pictures from Getty Images. Select from premium Andrea Doria of the highest quality

    The Andrea Doria is in Nantucket, Massachusetts, in the northeast United States, an area with extremely strong currents that makes hand-over-hand descents and ascents mandatory, as well as the use of jon lines (many divers even choose to use scooters for efficiency and to save energy) Aug 25, 2019 - The Andrea Doria was an Italian ocean liner that sank in a collision near Nantucket in 1956. Pictures and links of the ship, recovered artifacts, and anything else!. See more ideas about andrea doria, liner, ocean LOL, uh yea, no. The ocean liner had the same name and was named after the same famous Italian Admiral, but it was not the Battleship. Battleship Andrea Doria was allowed to stay in the Italian Navy after WW2 and was used until September 1956 and was stricken from the active registry, then subsequently broken up Andrea Doria, Bronzino (c1532-33 or after 1545) Bronzino's admiral on the deck of his ship looks out of the picture, ready for anything, and convinces us that the sea is his to command Ontdek de perfecte stockfoto's over Andrea Doria en redactionele nieuwsbeelden van Getty Images Kies uit premium Andrea Doria van de hoogste kwaliteit

    Doria, Andrea. Príncipe de Melfi (I), en Nápoles (30.XI.1466 - 25.XI.1560) EMo [4ª] Pag 02-0 Admiral Andrea Doria watched over the ship until 1964 when the dive boat Topcat arrived with salvage divers. The salvers were Glenn Garvin and Robert Solomon, two real estate businessmen. Neither Garvin nor Solomon were divers themselves, nor did they know anything about marine salvage The whole world knew of the Andrea Doria, flagship of the Italia Line, long before the 697-foot passenger liner made her maiden voyage in 1953. In the aftermath of World War II, Italy was reclaiming its reputation as the world's nexus of culture and beauty, and the Doria , named for a 16th-century Italian admiral who figured out how to sail ships against the wind, lacked no refinement

    Italian Admirals: Andrea Doria, Prince a: Llc, Books

    1. Andrea Doria taken 1953 picking up passengers in Gibraltar in the The Crossing section. 11/23/03 Added a photo of: The statue of Admiral Andrea Doria as it appeared in the Sea Garden Hotel and the salvage vessel Topcat to the Artifacts Section. 11/20/0
    2. Andrea Doria. In the Mediterranean world of the late Middle Ages, Andrea Doria (1466-1560) was both famous as an adventurer and feared as a ruler.His seafaring skills made him one of the principal maritime commanders of his day, and his alliances with popes and a succession of kings helped make him rich
    3. Back From Tolkien to Hitler: Famous Soldiers of World War I Dick Winters and the Band of Brothers The Battle of the Bulge The Battle for Omaha Beach: The Men of the D-Day Invasio
    4. On the night of July 25, 1956, a collision between the ocean liners SS Andrea Doria and MS Stockholm killed 51 people and prompted one of the largest civilian maritime rescues in history
    5. SS Andrea Doria, was an ocean liner for the Italian Line home ported in Genoa, Italy, most famous for her sinking in 1956, when 46 people were killed. Named after the 16th-century Genoese admiral Andrea Doria, the ship had a gross register tonnage of 29,100 and a capacity of about 1,200 passengers and 500 crew
    6. Giovanni Andrea Doria, also Gianandrea Doria (1539-1606), was an Italian admiral from Genoa. He was the son of Giannettino Doria. He became the Admiral of the Genoese Fleet in 1556 and commanded the combined Christian fleet of the Holy League at the Battle of Djerba in 1560, which was won by the Ottoman Turks under the command of Piyale Pasha
    7. Andrea Doria is a battleship based on Italian battleship Andrea Doria. ( Chinese Simplifed: 安德烈亚・多利亚 / Pronounce: AnDeLieYa DuoLiYa ) 1 Introduction 2 Namesake 3 Attributes 4 Acquiring Info 5 Costume 6 Quotes 7 Trivia 8 External Links Andrea Doria was the lead ship of I-Country Andrea Doria class battleships. Launched in 1914 and completed in 1916, she served in World War I but.

    Andrea Doria, 1466-1560 - HistoryOfWar

    • Autor tekstu:Czesław Niemczuk Kompozytor:Wojciech Kord
    • io. Het hotel biedt betaalbare, schone en moderne kamers in het centrum van Marina di Ragusa. Het Andrea Doria ligt voor de kust, waar u een typisch mediterrane architectuur aantreft
    • SS Andrea Doria was an ocean liner for the Italian Line (Società di navigazione Italia) home ported in Genoa, Italy. Named after the 16th-century Genoese admiral Andrea Doria, the Andrea Doria had a gross tonnage of 29,100 and a capacity of about 1,200 passengers and 500 crew

    Doria, ANDREA, Genoese admiral and statesman, b. at Oneglia, Italy, 1468 d. at Genoa, 1560.His family belonged to the magnae quatuor prosapiae who disputed among themselves for the supremacy in Genoa, but the Adorni and Fregosi of the opposing faction excluded the Doria from power Giovanni Andrea Doria, also Gianandrea Doria (1539-1606), was an Italian admiral from Genoa. He was the son of Giannettino Doria, and the father of Cardinal Giovanni Doria. He became the Admiral of the Genoese Fleet in 1556, and commanded the combined Christian fleet of the Holy League at the Battle of Djerba in 1560, which was won by the Ottoman Turks under the command of Piyale Pasha Todas las obrasVer todo Por museo (204.648) Musée Carnavalet, Histoire de Paris (42.899) Palais Galliera, musée de la Mode de la Ville de Paris (42.558) Petit Palais, musée des Beaux-arts de la Ville de Paris (18.081) Maison de Victor Hugo - Hauteville House (9.938) Musée d'Art moderne de Paris (4.630) Musée Cernuschi, musée des Arts de l'Asie de la Ville de Pari • Genoese admiral and statesman, b. at Oneglia, Italy, 1468 d. at Genoa, 1560 Catholic Encyclopedia. Kevin Knight. 200

    Statue of Admiral Andrea Doria (Excerpts from Gary Gentile's Dive to an Era) Send mail to [email protected] with technical questions or comments about this web site. Send mail to [email protected] to contact Anthony Grillo about the contents of the web site SS Andrea Doria De SS Andrea Doria was een oceaanstomer van de Italian Line (Italia - Società di navigazione Italia), vooral bekend vanwege zijn ondergang op 26 juli 1956. Het schip was vernoemd naar de Genuese admiraal Andrea Doria. Het was 212 meter lang en had een bruto tonnenmaat van 29.100 registerton Château de Versailles - Théodore Gudin -- Admiral Andréa Doria Disperses the Spanish Fleet of Hugo de Moncada before the Mouth of the Var, 7 July 1524 Prelude to the Battle of Pavia 1846, 142х225 . Edit attribution Download full size: 2900×1811 px (1,0 Mb) Back to album: Château de Versailles Andrea Doria (Oneglia (Imperia), 30. novembar 1466.- Genova, 25. novembar 1560), bio je genoveški državnik, kondotjer i admiral, jedan od najvećih mornaričkih komandanata svog vremena a naval commander, born in Genoa, of noble descent, though his parents were poor a man of patriotic instincts adopted the profession of arms at the age of 19 became commander of the fleet in 1513 attacked with signal success the Turkis

    SS Andrea Doria, pronounced [anˈdrɛːa ˈdɔːrja], was an ocean liner for the Italian Line (Società di navigazione Italia) home-ported in Genoa, Italy, most famous for her sinking in 1956, when 46 people died. Named after the 16th-century Genoese admiral Andrea Doria, the ship had a gross register tonnage of 29,100 and a capacity of about 1,200 passengers and 500 crew Andrea Doria left his estates to Giovanni Andrea. The family of Doria-Pamphili-Landi is descended from Giovanni Andrea Doria and bears his title of Prince of Melfi. Judged by the standards of his day, Doria was an outstanding leader. Ships Several ships were named in honour of the Admiral: The liner SS Andrea Doria, which was launched in 1951.

    Andrea Doria Genoese statesman Britannic

    1. Giovanni Andrea Doria, also known as Gianandrea Doria, (1539-1606), was an Italian admiral from Genoa.. Biography. Doria was born to a noble family of the Republic of Genoa.He was the son of Giannettino Doria, of the Doria family, who died when Doria was 6 years old.He would selected by his great-uncle Andrea Doria to command the family's galleys.. He became the Admiral of the Genoese Fleet.
    2. ent in the history of Genoa Genoa, Ital. Genova, city (1991 pop. 678,771), capital of Genoa prov. and of Liguria, NW Italy, on the Ligurian Sea. Beautifully situated on the Italian Riviera, it is the chief seaport of Italy and rivals Marseilles, France, as the leading.
    3. Download this stock image: Andrea Doria, 1466-1560. Italian admiral. - BXD79K from Alamy's library of millions of high resolution stock photos, illustrations and vectors
    4. Andrea Doria Paintings Andrea Doria 30.11.1468-25.11.1560+ Admiral, doge of Genoa, Condottiere, Italy painting by Sebastiano del Piombo - 16th century Romano Giugovazo, former chef on the Italian luxury liner Andrea Doria, finds spaghetti is popular in any language as he prepare his specialty in a..
    5. Andrea Doria, Ann Arbor, Michigan. 488 likes · 8 talking about this. It's ok to be indie pop. It's ok to be art rock. Ann Arbor and Downriver, MI band of friends. Maximillian Grahl Andrew Hohmann..
    6. [Commission] Admiral Andrea Doria. 7 comments. share. save. hide. relatório. 99% Upvoted. This thread is archived. New comments cannot be posted and votes cannot be cast. Sort by. melhor. level 1. 3 years ago. i love the quality of your lines. rugged, but confident. 6. share. Report Save. level 2

    Video: Andrea Doria: Admiral des Abendlandes (German Edition

    Google Arts & Culture features content from over 2000 leading museums and archives who have partnered with the Google Cultural Institute to bring the world's treasures online Andrea Doria, Italian condottiero and admiral of the Republic of Genoa (from Spamers Illustrierte Weltgeschichte, 1894, 5[1], 477): comprar esta ilustración de stock y explorar ilustraciones similares en Adobe Stoc Andrea Doria, il corsaro : la casata e le gesta del piú grande ammiraglio genovese del sedicesimo secolo by Antonio Perria ( Book ) André Doria : un amiral condottiere au XVIe siècle (1466-1560) by Edouard Petit ( Book

    Andrea Doria (1466 - 1560) / Lorenzo Capelloni . Andrea Doria (1466 - 1560) was a Genoese mercenary and admiral. We do not find this very rare book for sale anywhere else worldwide! Main author: Lorenzo Capelloni . Title: Vita del prencipe Andrea Doria, descritta da M. Lorenzo Capellon Don Andrea I, Principe di Melfi (1531-35), Marchese di Tursi XI.1541, Marchese di Torriglia 1547, Conte di Loano 1547, Captain of the Neapolitan Army 1492, General of the Genoese Army 1503, Admiral of the Genoese Fleet 1512, French Admiral of the Mediterranean Sea (VIII.1527-11.9.1528), General Admiral of Spain IX.1528, Knight of St.John of Rhodes Order 1492, Knight of the Royal French Order. Andrea Doria BirthdayFriday, November 30, 1466 BirthplaceOneglia, Liguria, Italy DiedFriday, November 25, 1560 Occupation Condottiero and admiral The following article is from The Great Soviet Encyclopedia (1979). It might be outdated or ideologically biased. Doria, Andrea Born Nov. 30, 1466, in Oneglia died Nov. 25, 1560, in Genoa. Genoese admiral and. (30 nov. 1466, Oneglia, ducado de Milán-25 nov. 1560, Génova). Estadista, mercenario y almirante genovés, el comandante naval más distinguido de su época. Miembro de una familia aristocrática, quedó huérfano a temprana edad y se convirtió en u

    Doria Family Italian family Britannic

    In the team's contest with Milan on Sunday, the Blucerchiati will take to the field with the unmistakable blue and white quartered strip designed in 1900 for Andrea Doria. It is a name, that of the Genoese admiral who lived from 1466 to 1560, which remains closely linked to Genoa and its history, not only on a sporting level but also on a political and social, artistic and cultural one Andrea Doria was orphaned as a child, and journeyed to Rome as a teenager to serve in the papal army of Pope Innocent VIII, a fellow Genoese, who battled the Turks until his death in 1492. Doria made a pilgrimage to the holy city of Jerusalem in 1495, which was a somewhat rare feat at the time, for it involved an arduous and even perilous trek The flagship of the EU Naval Force, ITS Andrea Doria, is visiting Dubai in support of the UAE Counter-Piracy Week. The UAE Counter-Piracy Week begins with the working groups and plenary session of the Contact Group on Piracy off the Coast of Somalia (CGPCS), which is currently chaired by the European Union


    Assista o vídeo: Andrea Doria 2012 (Pode 2022).